A VIRADA DE ANO DA MS

CROC, O CROCODILO CHORÃO

Com certeza a atenta leitora e o expedito leitor da nossa querida MS, devem ter percebido que faz algum tempo que não temos matérias novas por aqui.

Na verdade temos sim, há um belo projeto em andamento para a linha MSX, temos uma matéria completa sobre a BGS, que o Divino Leitão foi pessoalmente conferir e um monte de outras coisas. Muitas terminadas e prontas para serem publicadas, mas temos enfrentado um probleminha com a MS… que estamos chamando de “17” … os nossos 17 fiéis leitores.

Se reconheceu a piada com o Agamenon Mendes Pedreira, do Casseta e Planeta você faz parte desse seleto grupo e saiba que em breve contrataremos um irmão (bastardo, claro) do Agamenon para trabalhar aqui na MS, vocês não perdem por esperar, assim que acertarmos uns problemas com o michê dele (o pilantra não quer fazer de graça) ele estréia na MS.

 Mas onde estávamos? Ah sim, a MS anda com baixa estima, precisando de carinho e de leitores que comentem as matérias e principalmente que divulguem a revista, afinal ela é grátis, tem bom conteúdo e mesmo assim ainda tem menos leitores que a MS de papel e olha que naqueles tempos tinha só uns quatro gatos pingados com micro… atualmente são mais de 100 milhões.

Cartum de um jacaré chorando copiosamente.

Imagem – iStock – autor: https://www.istockphoto.com/br/portfolio/IgorZakowski

Então nossa ousada equipe decidiu dar umas sacudidas e pensar em algo melhor que matérias sobre feira, sobre Stadia e o que for, afinal disso todo mundo já anda falando é sempre mais do mesmo… né?

Então decidimos “chutar o pau da barraca” e voltar toda nossa atenção para coisas exclusivas, que só a MS pode fazer, então vamos lá…

AS NOVIDADES

A qualquer dia, sem aviso prévio, vai rolar o canal MS360 no Youtube, com transmissão indireta também no Facebook e onde mais deixarem a gente falar.

Um rapaz com óculos RV, olhando um passeio virtual em 360°. Com o texto: "Outro nível de percepção para seu empreendimento"

Não é um canal como qualquer outro, porque o 360 não é apenas figura de linguagem, para dizer que falamos “pelos cotovelos”, trata-se de 360° mesmo, trezentos e sessenta graus… Daqueles que, se você colocar o tal do óculos RV vai cair de queixo no chão, de tonteira, claro!

Aguardem… é que o nosso apresentador foi inventar de se fantasiar de Jason no Halloween e levou muito a sério, cortou careca e está mais feio que o habitual, assim que crescer mais um pouco de cabelo e perder aquela cara de presidiário ele começa as gravações. E sim… o talho na cabeá é maquiagem.

Mas n-o-v-i-d-a-d-e mesmo é TRANSFORMADOS, o jogo. Um lançamento que coloca a MS – di novooooooo – no que era sua marca registrada, quando revista impressa. Lançar novidades em termos de jogos. todos sabem que na edição impressa número 22, o Renato Degiovani inovou pra dedéu, com “Aeroporto“, um jogo em linguagem de máquina e provavelmente o primeiro jogo genuinamente brasileiro do mercado. Logo seguido de “Aventuras na Selva”, na edição 23 e que se transformou em “Amazonia” um clássico do adventure nacional e obviamente não foram os únicos, a MS tinha a criação de games em seu DNA.

Divino Leitão, também surfou bastante nesta onda, fez alguns jogos que publicou na revista, mas foi além e através da Ciberne, uma softhouse pioneira dos anos 80, lançou logo quatro sucessos, inclusive com direito a registro na extinta SEI, sendo o mais conhecido o “Cavernas de Marte” e o preferido do autor “Pinball” que foi desenvolvido inspirado nas máquinas de Pinball, inclusive com uma opção para criar sua própria mesa. Esta e outras histórias vocês verão muito em breve no documentário LOADING, produzido por Marcus Vinícius Chiado e Carlos Bighetti e que será lançado no início de 2020, sendo muito aguardado.

RD nunca parou de criar e quando deixou a direção da MS, criou imediatamente o CLUBE TILT e ali manteve uma produção constante de games e ferramentas de apoio, assim como cursos e em 2020 podem esperar grandes surpresas de sua parte, o cara não pára.

DL não manteve a produção na área de games, fez diversos jogos de cartas, de tabuleiro e um ou outro adventure, mas sempre como um hobby, enquanto tentava sobreviver neste “mundo cão”. Em 2010, após assistir ao lançamento do Tablet da Apple, protagonizado pelo saudoso e genial Steve Jobs, decidiu que a MS tinha que voltar a existir e que o Tablet seria o veículo para isso. Já se foram mais de 10 anos, o Tablet nem se tornou tão popular quanto se imaginava, mas a inspiração dada por Jobs não passou e a MS tem sido feita, do jeito que se pode, desde então.

TRANSFORMADOS, O JOGO

E no final de 2019, quase ao apagar das luzes do ano, um jogo que tinha ido para a gaveta ainda nos anos 80 decide fugir da prisão e brilhar.

TRNSFRMDS não é parecido com nada que você já jogou e ao mesmo tempo é absurdamente igual a tudo que você já jogou, tem pixel art, tem os sucessos dos anos dourados dos games, tem cards, tem tabuleiro e tem principalmente o melhor app de todos… o cérebro.

Sim… TRNSFRMDS tem tudo a ver com o cérebro, já que seu maior antagonista é um vírus maligno, que acaba com o cérebro de quem não jogar este jogo e vai transformar em algo pior que um zumbi (NÃO, NÃO É JOGO DE ZUMBI). Na verdade o primeiro jogo se chamava “RIO x CRIME” e usava mapas, sistemas de tabuleiro e de cartas, basicamente uma disputa entre policia e bandido, entremeada por joguinhos clássicos. Teve versão para o ZX 81, interrompida para fazer a versão para o TK 90x e novamente foi interrompida para fazer a versão para o recém-lançado MC 1000 – Uma linha de micros da CCE, que não sobreviveu ao tempo de produção do jogo.

Meio frustrado com tantas interrupções e fracassos, o autor abriu uma gaveta, colocou o jogo lá dentro e jogou a chave fora.

 Ai, enquanto procurava algo para fazer a MS voltar a ativar o DNA dos jogos, surgiu os TRNSFRMDS, algo muito velho, mas que vem fazendo sucesso desde quando o George Romero saiu de uma tumba, para se tornar uma lenda.

Mas voltamos a insistir, TRNSFRMDS não é um jogo de Zumbi, você vai ver o que é no dia 29/11/2019, quando a MS fará uma matéria muito especial e exclusiva sobre este jogo. Isso ninguém tem…. só a MS.

SÓ ISSO?

Não, absolutamente não é só isso, mas é o que temos para este final de ano e já entrando nos anos 20 do século XXI, quando o “Exterminador do Futuro” já foi e voltou várias vezes, os replicantes perderam e só o Marty McFly ainda não deu as caras, mas chega em breve.

Em 2020 a MS vai trazer muitas surpresas, mas não é o caso de contar ainda as parcerias que estamos fazendo e vai colocar a MS de novo, se não no lugar da “primeira” (que alias nunca perdeu) pelo menos no lugar de uma das melhores, porque a concorrência na Internet anda brava.

Mas certamente estamos começando bem com o lançamento de um jogo inovador né, pelo menos era totalmente inovador nos anos 80, mas como desde aquela época ninguém fez nada parecido, nosso editor decidiu que era hora de abrir a gaveta e arregaçar as mangas.

Eu ouvi “editor” … ué… então o Divino decidiu descer do muro? Descer não… ele agora tá subindo as escadas do céu, tá que não se aguenta com sua perna cyborg nova… mas isso é outra história.

Tags , , , , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

2 respostas para A VIRADA DE ANO DA MS

  1. Elson Sartori Jr diz:

    Aeeee!! Parabéns, Divino, pela empreitada! Você e o Renato Degiovanni sempre estiveram presentes em minha vida nos anos 80e 90…
    Aguardo ansiosamente pela revista que mais aduiquiri em minha vida (tá, não foram todas, mas com certeza foi muito mais que as outras, algumas de eletrônica bem famosas na época)! 😉

    • Ola Elson, fico feliz de ter feito a diferença. A MS agora só tem na versão On Line, mas nada impede que em 2020 a gente faça uma edição impressa para matar a saudade dos fãs… nada é impossível.

      E siga com a gente… ajude a divulgar e não perca nenhuma matéria 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *