Loja


    A loja da MS é uma área onde alguns produtos de nossos parceiros serão comercializados, produtos virtuais, que serão entregues via Internet e produtos físicos, entregues por diversos métodos.

    O critério para um produto fazer parte do E-Commerce/E-Bussiness  da MS é ser indicado por um de nossos parceiros ou colaboradores.

    Como já foi dito – ou será, em muitos outros textos – esta MS precisa ser autossustentos e apesar de haver milhares de formas de chegar a isto estamos testando quais serão melhor aceitas pelo nosso público, seja de leitores fiéis ou curiosos.

    No momento não há sequer produtos, os primeiros serão colocados em breve, inclusive em parceria com outros sites.

    Então só aguarde….


    O ano era 1995, a Internet apenas engatinhava no Brasil e todo mundo se virava com o BBS.

    Este porco escrevinhador, morou no Leblon, quando foi para o Rio em 1977, mais especificamente no quartel que fica ao lado da Bartolomeu Mitre e na data em que escrevo estas memórias deve ser o quartel da Tropa de Elite, o tenebroso BOPE, do Rio de Janeiro. Mas em 1977 lá funcionava o 8° GACosM, um quartel do exército, onde por 3 anos servi como Terceiro Sargento.

    Tudo isso só para explicar porque gostava de um mercado que existia ali ao lado do quartel, em 1977 ali funcionava o Mercado Zona Sul e em 1995 tinha virado mercado Nova Deli, Nada a ver com a Índia, o “Deli” era de Delícia, mas poderia ser de delivery, pois entregavam em casa e eu, já morador do Catete, gostava de fazer compras por lá, conhecia o dono e tinham uns importados deliciosos e naquela época eu podia pagar… bons tempos 😉

    E daí, dirá a impaciente leitora e o afligido leitor, já se arrependendo de começar a ler.

    E daí que ali nasceu eu creio que o primeiro e-commerce do Brasil e sim, foi culpa minha, toda minha.

    Na verdade nem nasceu, não deu certo por conta de um colega de trabalho que não gostou de eu me meter da área que considerava só dele, a tal programação PHP, que naquela época se fazia um terrível mistério sobre o que seria e falou que não seria possível, mas foi e depois se tornou um outro tipo de serviço que está muito em voga nos dias atuais, o delivery especializado.

    Estava este porco, escolhendo uns vinhos e profiteroles, no Nova Deli, para serem entregues no distante Catete e pensando se chegaria antes do entregador, já que tinhas outras atividades.

    O dono, que era um ótimo amigo, mas infelizmente não recordo sequer o nome, estava lá, com seu celular nem um pouco smart, mas que eu não tinha e era meu objeto do desejo e ao mesmo tempo futucava no computador. Na época os remediados como eu, usavam ainda aqueles trecos chamados pager, uma espécie de leitor de SMS, que só era capaz de enviar uns números.

    Comecei uma animada conversa sobre porque não usar o BBS e a nascente Internet para permitir que eu pudesse, lá do Catete fazer meu pedido no Nova Deli e o cara disse que pagaria qualquer coisa por isso.

    Eu trabalhava na área de marketing de um dos promissores BBS da época e já se tornando um provedor de Internet. Nem vou contar qual era, para não dedurar meu colega, que alegou que o projeto não era possível. Como trabalhei em quase todos… deixo vocês tentando adivinhar, mas não vou falar, todo mundo tem o direito de errar, até o Bill Gates vivia errando e ainda erra, mas no meio dos erros faz formidáveis acertos, coisa que infelizmente não é muito meu caso.

    Mas voltando ao Nova Deli, apresentei o projeto e o dono do provedor achou o máximo, também era cliente do Nova Deli e em breve estávamos prontos para escrever a história do e-delivery no Brasil, até chegar na área de DEV.

    Não dá, a estrutura não funciona, os telefones não funcionam, nem pensar em usar pager e blá-blá-blá…

    Que tristeza, mas não é que meu amigo lá do Nova Deli fez sozinho… Colocava seus produtos num site, as pessoas iam lá, ligavam para os telefones – que na época não funcionavam mesmo – e pimba, dali a pouco tinha uma Kombi entregando na sua porta.

    Só faltava o site com as quantidades, com a seleção e a devida automatização de todo o processo.

    Lembrei disso e de escrever este texto, porque hoje mesmo, há poucos minutos, fui comer no Bob´s do Shopping Jaraguá de Araraquara, após fazer uma live sobre uns dragões que estão em exposição por lá. A loja foi toda reestruturada e entre as novidades tinha nada mais nada menos, que uma tela de TV, bem grande, com uma opção de auto atendimento, ninguém estava usando, mas claro que eu quis comprar meu “sanduba” usando a novidade e comprei, em outra matéria falo mais sobre isso.

    Voltando a 1995, fiz todo o projeto e levei, muito animado para o dono do provedor, o cliente ansioso para fazer e não deu em nada, as pessoas ainda não botavam fé na Internet, nem quem trabalhava com ela.

    Então cá estou eu… – di nooooovoooo – vendendo uma ideia inovadora. Não que uma loja de e-commerce ou e-business, porque vamos fazer negócios aqui também, seja algo inovador, mas a forma que vou fazer será… sem dúvida.

    Mesmo porque hoje eu sou o dono, sou o DEV e represento o cliente, então se não der certo desta vez não poderei coloca a culpa em ninguém 🙂

     

     

     

    Os comentários estão desativados.