Provavelmente a focada leitora ou o atento leitor devem ter notado que nos textos da MS, principalmente os que foram criados por este porco escrevinhador, há – digamos