DOCUMENTOS VIRTUAIS

BLITZ

Blitz é uma expressão estrangeira, derivada do termo alemão blitzkrieg, que poderia ser traduzido como relâmpago. Passou a ser um termo em português, cujo significado mais próximo seria ataque relâmpago e passou a ser sinônimo de tudo que é inesperado e inoportuno.

Sim redação… mas o que isso tem a ver com a MS?

Este artigo foi pensado após a comprovação de que a tecnologia tem um inimigo ferrenho, que são as pessoas com “síndrome de porteiro”, muito bem representadas pelo saudoso ator Paulo Silvino, em um programa de humor.

Segundo a psicologia, tais pessoas são possuídas por uma atitude de autoritarismo, que usam poderes que acham que são seus de forma absoluta, sem ter nenhuma preocupação com problemas que isso possa ocasionar. Dão mais importância a sí próprias do que realmente sua posição permite e na área de tecnologia, elas são verdadeiras blitz de água fria, em situações diversas.

Também foi o nome de uma banda muito famosa, que surgiu nos anos 80 e cujas músicas ainda fazem sucesso… mas isso é outra história.

DOCUMENTOS VIRTUAIS

Sabemos que o Brasil deve ser campeão mundial em documentos, são tantos que listá-los é quase uma tarefa impossível, apenas os documentos pessoais que deveríamos carregar na carteira – se não quisermos ter problemas – poderiam encher uma mochila.

Mas após a popularidade dos celulares, especialmente os dito “inteligentes” uma solução parece ter surgido para nos ajudar, por exemplo, o SUS virtual, que teoricamente carregaria nosso histórico médico (se funcionasse corretamente) ou a Identidade virtual, a Carteira de Trabalho virtual, o CPF virtual, o Título de Eleitor virtual e até mesmo a CNH virtual e a maioria deles funcionam, são aceitos em estabelecimentos públicos e pasmem… até mesmo pela polícia, que obviamente tem condições de tirar uma foto sua ou pelo seu nome receber imediatamente um histórico completo pela Internet de todo seu passado, presente e se bobear até o futuro.

Mas os que se empenharam em criar estes documentos não contavam com a astúcia dos “porteiros de blitz”, aquela gente que faz qualquer coisa por uma gorjeta, mas quando se trata de atrapalhar sua vida, se superam em desacreditar na tecnologia.

ALGUNS CAUSOS

Você esquece sua carteira em casa, pega o carro e pimba… encontra uma blitz da polícia.

É uma situação mais comum do que parece e quando pedirem os inevitáveis documentos, se a informatizada leitora e o gadgético leitor – porém distraídos – sacarem seu celular e tiverem feito o cadastramento na CNH virtual poderão abrir o app e os policiais vão aceitar de boa o aplicativo, será até mais fácil para eles conferirem se o documento é real ou não, se não tiver os documentos do carro eles podem apenas verificar pela chapa e se estiver em seu nome, provavelmente não terá problemas, mas já temos o CRLV virtual também e basta adicionar ao celular para evitar problemas com esquecimentos. Até onde sei a policia está preparada para lidar com isso… pelo menos os policiais de verdade.

Porém se for entrar em um simples prédio, onde o porteiro supervalorizado te peça uma identidade, pode ser que nem com a CNH, onde está escrito o número da identidade, será aceita e se tirar o celular para mostrar pra CP aí que vai considerar ofensa e dirá, com muita empáfia, que tem alguma norma interna que proíbe isso.

Obviamente esta CP desconhece que existem leis federais ou a própria constituição, onde se regulamenta claramente que uma lei de instância superior invalida outras de instâncias inferiores, ou algo bem parecido com isso.

A única forma de superar isso é se você tiver um cargo importante nos 3 poderes ou esteja com alguém que tenha, ao seu lado. Neste caso pode ser usado um outro tipo de carteira, que dá muito medo, especialmente a ignorantes. Seria mais ou menos como combater fogo com fogo, não é para qualquer um.

Mas vamos pensar numa outra situação… você está viajando e perde sua carteira, com todos seus documentos. Obviamente você vai abrir um BO e olhem que legal, pode fazer isso usando a Internet, o que facilita bastante a vida de quem teve esse azar. Se foi roubo complica mais um pouco, o melhor é ir pessoalmente a uma delegacia e abrir o BO, no local do roubo ou corre riscos que nem imagina.

Depois de todos estes problemas você quer simplesmente voltar para sua cidade. Chega na rodoviária já com a passagem, comprada em um guichê virtual, mas quando o motorista pedir seu documento, danou-se, porque ele não vai aceitar sua carteira virtual e vai partir, te deixando lá, falando sozinho.

Nem tente chamar a polícia, você pode acabar na prisão.

Nestes locais a tecnologia não chegou… pode até ser que um motorista sem complexo de porteiro aceite seu documentos virtual, mesmo há muitos que nem pedem seu documento, o que também está errado, pois se a pessoa for um criminoso vai entrar no ônibus sem identificação, mas sabemos que se for, terá uma carteira falsa, que qualquer Photoshop é capaz de fazer e imprimir numa jato de tinta comum e duvido que algum motorista esteja preparado para usar o leitor de QR para fazer uma conferência.

E quando nem o documento real serve? Como todos devem saber, cada estado tem seu próprio sistema de identificação para identidade, portanto se por algum motivo você decidiu tirar sua identificação em outro estado, como foi o caso deste escrevinhador, que tinha uma identidade tirada aos 11 anos, com aquela cara de moleque e já começava a ter problemas, então emitiu outra, em outro estado e passou a utilizar, sem problemas. Até que um dia um órgão do governo não aceitou esta carteira, queria a primeira, que constava em seu banco de dados e não aceitava xerox nem nada, foi necessário pedir uma segunda via, mas até a emissão já teria perdido nada menos do que um apartamento popular. Por sorte encontrou a carteira antiga, ou seria complicado driblar toda a “burrocracia” envolvida. No entanto, no mesmo órgão, a mesma CP sugeriu que fosse feita a inscrição de dois apartamentos, o que é proibido por lei e causaria sérios problemas no futuro.

E para finalizar, na documentação exigida para um emprego, na Petrobrás, era exigido um diploma de informática, qualquer um. No entanto apesar de ser professor de informática  candidato não tinha diploma, afinal aprendeu em uma época em que não havia sequer cursos de informática. Qual foi a sugestão do porteiro? Assinar um diploma para si mesmo, já que era professor. Este foi fácil de resolver, melhor não trabalhar em uma empresa com este tipo de postura, mesmo que fosse a Petrobrás e afinal nem era, apenas uma agregada.

Se acha que esses causos são invenções de um escrevinhador cheio de imaginação, saibam que todas estas situações já aconteceram com este que vos escreve, nenhuma foi inventada. (Divino Leitão)

AVANTE E ALÉM

Estamos em uma fase intermediária da tecnologia, em que as pessoas, especialmente as mais ignorantes e que, ainda por cima tem complexo de porteiro, se rebelam contra o mundo virtual.

Estas pessoas estão no comando de máquina capaz de ler cartão de crédito até por pensamento, mas se recusam a aceitar seu cartão do celular, que funciona com diversas tecnologias.

É sempre aquela CP sorridente, mas de sorriso muito amarelo, que vai passar seu cartão com chip na roupa sebenta, achando que há um erro de leitura, ou se bobear vai até cuspir no seu cartão e tentar limpar depois. Por isso mesmo que empresas que treinam seus funcionários corretamente insistem em que nem se toque no cartão do cliente, quem deve colocar na máquina e retirar é o próprio cliente e isso envolve outras questões de segurança, tais como evitar que seu cartão seja simplesmente substituído, num gesto de prestidigitação, nunca entregue seu cartão nas mãos de terceiros a não ser que isso seja realmente imprescindível.

O próprio cartão de crédito já está caindo em desuso, uma boa quantidade de lugares estão preparados para aceitar comandos que partem de seu celular ou de outros equipamentos, como relógios “inteligentes” e logo estes lugares serão a maioria. Neste dia um cartão de crédito terá o mesmo nível de aceitação que um cheque… praticamente zero.

Até mesmo as assustadoras moedas virtuais estão começando a serem aceitas pelo governo brasileiro e o Banco Central está normatizando seu uso exatamente neste ano da graça de 2019 e isso significa que em breve o celular vai substituir não só nossa carteira mas também aquele monte de papel inútil que acostumamos por séculos a ver fazer volume em nosso bolso.

Vários apps estão preparados para registrar suas senhas, seus documentos e preencher automaticamente outros sistemas, claro que é preciso utilizar isso com muito cuidado, se caír a senha mestra, normalmente sua digital, que é bem fácil de burlar, em mãos erradas, você vai ter sérios problemas.

A parte mais difícil de resolver será sempre o fator humano, mas pode ser que a Matrix ou a Skynet resolvam isso, a parte ruim é que o porteiro vai se chamar Smith ou T100… não se sabe quem é pior.

CONCLUSÃO

A tecnologia veio para ficar, não temos mais dúvida disso e ainda que toda ela possa ser eliminada por um pulso nuclear, se sobrarem homens, vamos fazer tudo de novo e provavelmente mais rápido, embora os livros também estejam sendo substituídos pela nuvem, mas acredito que a própria nuvem tem suas salvaguardas para isso e se não tiver… bom, teremos coisas mais importantes para nos preocupar.

Temos que nos acostumar com estes conceitos, qualquer criança de 5 anos sabe usar um QRCode, porém seus pais não sabem e seus avós nem fazem ideia do que seja isso e muitas vezes até os irmãos mais velhos estão marcando bobeira.

QRCode já é banal, porém existem muitos outros símbolos e siglas que representam informação e estão sendo espalhados por aí, nas formas mais inesperadas.

Se usar o leitor de QRCode de seu celular aqui, verá esta mesma matéria em seu celular, sem precisar digitar.

Quando você entra em um simples shopping center nem faz ideia, mas tem câmeras identificando seu rosto, capturando seus hábitos e fazendo o mesmo que tanta gente pensa que não vai acontecer só porque se recusa a ter um celular ou a usar contas bancárias virtuais, ou mesmo navegar na Internet.

São inocentes, mal sabem que não usar a tecnologia os transforma em candidatos a laranjas, se você não tem sequer uma conta bancária é muito fácil criar uma em seu nome, afinal atualmente se criam contas via Internet e se tem uma, mas nunca se preocupou em criar sua senha, saiba que corre mais riscos do que se não tivesse. Este assunto é tão complexo que é melhor não continuar a assustar os que desconhecem estas questões.

Na verdade cidades inteiras já atingiram este nível de invasão, enquanto outras se empenham em criar leis que impeçam uma dominação maior da nossa privacidade, que a cada dia é menos real e mais sujeita a uma blitz, seja da polícia, de vendedores ou a pior de todas, a blitz da pessoa que tem síndrome de porteiro e quer mandar em sua vida, justo porque a dela é insignificante.

Esta matéria foi escrita com o objetivo principal de fazer você pensar um pouco mais, no mundo em que se encontra. (Divino Leitão)

Tags , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Divino C. R. Leitão

Safra de 57, um cara das artes, professor e coordenador do CPD da MS. Desde sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *