THE EXPANSE

O QUE É THE EXPANSE?

Antes de começar o artigo um esclarecimento, este é o primeiro texto para uma nova seção da MS, chamada Sétima Arte, que visa tratar de temas relacionados com as questões técnicas que envolvem filmes, vídeos e temas similares.

Divino Leitão, um fanático pelo cinema — desde sempre — será o coordenador geral desta seção e faz a promessa de fugir de spoiller, sempre que tratar do assunto, seja envolvendo cinema, séries ou games, que serão os protagonistas desta nova seção.

Quem vai determinar o sucesso desta seção é você, cinéfila leitora ou você, maratonista (de séries) leitor, que podem nos fazer sugestões de pauta ou mesmo escreverem suas próprias contribuições, para publicação na MS.

Então vamos lá… esclarecer o que é “The Expanse” ou “A Expansão” se traduzir o termo.

Trata-se do nome de uma série de TV, que foi criada em  2015, para o canal SyFy pela empresa Alcon Enterteinment. A série recebeu muitos prêmios em suas três primeiras temporadas e foi suspensa em 2018, porém em 2019 novo contrato foi feito com a Amazon, prevendo-se até uma sexta temporada garantida.

Toda a história se passa em nosso próprio sistema solar, porém daqui a 200 anos, no século 24, quando a tecnologia permite muitas novidades, embora algumas coisas (revólveres por exemplo) não tenham mudado muito, ou o comportamento humano.

Todo o enredo gira ao redor de um composto alienígena, chamado de protomolécula, basicamente uma gosma azul brilhante e capaz de fazer maravilhas ou criar horrores que poucos filmes  de ficção já se atreveram a mostrar.

Alias a série não é para pessoas de coração fraco, algumas mortes são bem assustadoras, assim como há cenas fortes, e até mesmo algumas cenas de sexo, que poderíamos classificar de bem leves, mas estão lá.

Não é exatamente um filme de terror ou de suspense, ou mesmo com apelo sexual, tudo isso faz parte do desenvolvimento da obra, que tem um formato onde várias coisas acontecem ao mesmo tempo, uma pequena distração e pode não entender muita coisa que virá a frente.

A “pegada” maior é política e embora — com exceção da protomolécula — não existam alienígenas, a humanidade basicamente se compõe de 3 tipos de novas subdivisões, os terráqueos, que são exatamente o mesmo que temos nos dias de hoje, os belters que são descendentes de pessoas que se acostumaram a viver no espaço e por isso mesmo tem algumas limitações para viver em planetas e os “marcianos” que são também terrestres, mas descendentes de pessoas que se adaptaram de tal forma as características do planeta Marte que também tem dificuldades para se locomover na terra, precisando passar por treinamentos.

Fisicamente os habitantes de Marte são mais fortes, em seguida vem os da Terra, mas os “belters” não ficam muito atrás, apesar de fisicamente mais fracos, porém compensam isso com agressividade.

O termo “belter” vem do significado em inglês de cinturão, ou seja, o cinturão de asteroides que se encontra entre Marte e Júpiter e onde os mesmos se instalaram ao longo dos anos.

Estes três segmentos estão sempre em conflito, seja por questões políticas ou de interdependência devido a necessidades comerciais, de produtos ou insumos e todas as histórias são em torno deste conflito, agravadas pela presença maligna e desconhecida da protomolécula, que surge — sem maiores explicações — na primeira temporada e depois começa a ser desvendada, bem lentamente.

DICA DO DL: Não tente saber muito sobre a protomolécula, espionando as temporadas mais recentes. Assista desde o início e recomendo acompanhar os esclarecimentos ao longo da série ou vai perder um pouco da graça. Alias não vale a pena saber o que acontece mais a frente, siga a ordem dos capítulos e temporadas que será bem mais prazeroso.

OS PERSONAGENS

Tem muitos protagonistas nesta série, alguns são principais, afinal é isso que significa o termo, mas depois de algum tempo você descobre que há muitos, assim como muitos vilões, que as vezes, passam desapercebidos ou fingem ser “mocinhos” para repentinamente revelarem sua condição, ou vice-versa, ou seja, o seu “mocinho” preferido pode virar um vilão.

A série abusa de plots, ou seja, aquelas viradas onde tudo deixa de ser como era e passa a ser outra coisa e com certeza é uma das maiores qualidades, já que muita coisa não é o que parece.

Com certeza os que aparecem mais são a tripulação da Rocinante, ou “Roci” como é chamada, uma nave que está sempre presente onde a ação acontece, uma espécie de “Millenum Falcon” que acaba quase se tornando personagem da trama. A Roci parece até ter vida própria em algumas cenas e é muito interessante, ela aparece na primeira temporada. Nesta série todas as naves tem nomes, assim como alguns lugares transformados em pequenas colônias, recomenda-se atenção nos nomes das naves, pois é importante para entender a trama.

Um dos personagens mais fortes é a Avassalara, uma política com ares de realeza e que certamente todos vão gostar, vamos evitar muitos detalhes para não dar spoiller, mas preste muita atenção quando ela aparecer.

Minha personagem predileta é “Bobbie” uma fuzileira marciana, assim como “Amos” eles são bem simples e costumam resolver tudo na porrada é bom ter eles do “nosso” lado. Outro personagem bem forte é Miller, uma espécie de detetive, ao estilo de alguns personagens de Humphrey Bogart e que nunca se sabe o que ele está pensando. (DL)

São raros atores muito famosos nesta série, mas o elenco é excelente e a direção sempre precisa, então dificilmente se vai vai perceber uma má interpretação, a sensação é de que todos são muito bons no que fazem, mesmo os que tem trejeitos exagerados, como Avasarala ou o próprio Miller, quando se entende os personagens se percebe que eles tem um estilo diferente, nada mais, as vezes se pode confundir a intepretaçao com com canastrice, mas basta seguir assistindo para perceber que são excelentes atores, fazendo a que o personagem pede.

A VIDA NO FUTURO

Como já se passaram 200 anos além do século XXI talvez algumas coisas pareçam não ter mudado muito, fora a conquista espacial, mas um mergulho mais profundo na tecnologia faz perceber que tem umas coisas bem interessantes.

A mais visível são os celulares, basicamente todo mundo tem um celular e podem até parecer com os que temos, mas vão muito além em termos de recursos. Basicamente um celular lá do século 24 se comunica com tudo que existir em volta, sendo possível criar realidade aumentada em 3D, com direito a  hologramas.

As naves espaciais não fogem muito do que “conhecemos” de outros filmes de ficção e até são todas muito parecidas, fazendo lembrar especialmente as naves de Star Wars, de onde vem as maiores semelhanças.

Há muitas estações espaciais e asteroides transformados em pequenos mundos e inclusive uma nave gigantesca, que passa por muitas mudanças durante o filme, sendo usada para diversos fins, melhor não dizer qual era sua finalidade primária, para não antecipar, mas logo na primeira temporada ela aparece, sendo construída e depois vai sofrendo alterações.

Marcianos vivem dedicados a suas causas e seu planeta, que está sofrendo uma terraformação, ou seja, a intenção dos marcianos é fazer de Marte uma terra nova.

Belters vivem uma vida difícil e sempre se adaptando ao lugar onde estão… trabalham muito e sentem-se usados por Marte e Terra, mas dependem de ambos, sem contar que a superioridade bélica dos dois mundos os faz se manter quietos, mas não muito… são sempre rebeldes.

Já os que ficaram na Terra tem como maior preocupação o aumento constante da população, sendo que os que estão no topo da pirâmide vivem muito bem, em contraste com os demais.

Gostam todos de uniformes, exceto Avasalara, que tem o melhor figurino, ela é uma verdadeira perua em termos de vestimenta.

A tecnologia parece existir em profusão, em qualquer um dos 3 segmentos e as viagens espaciais contam com um acelerador chamado drive, capaz de permitir viagens bem ao estilo do hiperespaço, mas com características próprias.

As pessoas vivem de uma forma bem parecida como a que vivemos atualmente, sendo que dentro das diversas opções podemos identificar claramente as nuances existentes nos dias atuais, como tatuagens tribais e características de países que faz pensar que talvez marcianos possam ser russos ou chineses, que os belters se parecem muito com todo tipo de minorias, sempre querendo se destacar de alguma forma e eternamente desejosos de melhorar sua vida, a qualquer custo e os terráqueos são apenas… terráqueos, com todos os males que já carregamos e todo tipo de manipuladores do “bem” e do “mal” mas seja de que lado estejam… se tiverem que matar para cuidar dos “seus” não hesitam um segundo.

VIOLÊNCIA

Uma das características desta série é a violência extrema, pessoas sensíveis a isso, certamente não vão gostar de ver algumas mortes que aparecem de “vez em sempre”.

Lembra muito — neste aspecto — a série “Game of Thrones” onde a qualquer momento um personagem importante morria de um segundo para o outro, sem aviso. Em alguns momentos traz o clima de “Walking Dead” com suspense assustador e criaturas estranhas ou simplesmente vilões bem ruins, que não tem qualquer preocupação em mandar muitos para a morte.

“The Expanse” tem sua própria identidade, mas certamente os produtores sabem que algumas destas cenas fortes eram a razão do sucesso de séries que agradam ao público e não se incomodam de trazer o clima, porém sem exageros, sem parecer que estão simplesmente copiando.

A maior parte do tempo as coisas fluem “normalmente” com missões, situações que nos fazem imergir na aventura e meio que do nada, uma rápida sucessão de violência ou motes em grandes quantidades. Em uma das cenas o Brasil é atingido e morrem quase 2 milhões de pessoas de uma vez só… nem é preciso mostrar a cena em detalhes, mas a descrição do que acontece faz a gente ter o gostinho amargo de nosso país ter sido “lembrado” desta forma tão cruel.

“A ficção não deve ser confundida com a realidade, em um livro que ainda estou escrevendo, acabo com a Inglaterra inteira em um átimo. Nada contra os ingleses, mas precisava causar um impacto forte na obra e esta foi a forma que encontrei. Ver o Brasil ser atingido assim me mostra o que um inglês vai sentir ao ver o que faço… mas sinto que se tirar, não coloco o impacto que preciso e não seria justo escolher outro país, até dou uma boa desculpa, mas claro que não justifica. De qualquer forma é só ficção.” (DL)

Uma coisa é certa… se não tolera violência explícita, “The Expanse” não é para você, as violências não acontecem de 5 em 5 minutos, mas quando acontecem, os autores são um pouco radicais.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Se considerarmos a questão de atrair atenção, a série — com toda certeza — atinge este objetivo e tem uma outra característica, consegue mudar de ambientes sem ficar repetindo sempre as mesmas coisas, é um mundo bem aberto, especialmente porque em determinado momento abre uma porta para outros sistemas além do nosso “limitado” sistema solar.

Os personagens são muito ricos e bem-aproveitados, sempre surgindo novos personagens e com isso eliminando outros e os vilões mais malvados sempre são muito bem castigados, as vezes não com a morte, mas ficam vivos, para pensar o que fizeram de errado e alguns são muito “bons” em ser ruins, no sentido da maldade mesmo.

A história é bem estruturada e apesar de se passar em um lugar “conhecido” ou seja, nosso próprio sistema solar, existe uma repaginação de conceitos que ao mesmo tempo em que nos faz pensar em lugares conhecidos da nossa imaginação, como Las Vegas, por exemplo, representada pelo asteroide Eros, não é tão simples de entender, quanto foi simples fazer a relação.

Os Belters, sem sombra de dúvida são o segmento mais interessante e com mais variedade, tanto que se Terra e Marte tem um padrão nos seus habitantes que é facilmente reconhecível, entre os Belters já não é tão simples, tanto que eles tem um idioma próprio, um comportamento baseado em respeito e uma democracia forte, que se sobrepõe ao caos em que vivem e principalmente sob o júdice de dois outros segmentos, que aparentemente nunca os respeitou.

Provavelmente a série toda fala mais dos exemplos dos Belters do que dos dois outros segmentos, mas a protomolécula certamente vai juntar todos em algo mais consistente.

Quando este texto foi escrito a série estava no capítulo 7 da quinta temporada e os próximos episódios desta temporada estão prometidos para daqui a 3 dias, no Prime Vídeo, da Amazon.

APOIE A MS – Conheça o Prime Vídeo, onde pode assistir “The Expanse” completo. Custa apenas R$ 9,90 por mês e o primeiro mês é gratuito, para que possa conhecer o serviço. E se vai comprar, por gentileza, faça através do link abaixo, pois assim a MS recebe alguns tostões e você não paga nada a mais, ajudando a monetizar a nossa revista. Se ainda não conhece o serviço, veja nosso review sobre as vantagens do Prime Vídeo.  Em breve algumas dicas de outros produtos da Amazon, recomendados pela MS. (DL)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: