ANOS 20

DE VOLTA AO TRABALHO

Este é o primeiro editorial de 2020, um ano que começou muito bem, com férias deste seu coordenador geral da MS e voltei ao trabalho cheio de ideias, de novidades e muita animação.

Algumas matérias estavam me aguardando, só precisando finalizar, acertar as imagens, tem gente nova querendo entrar para o staff e algumas seções que não foi possível implementar em 2019, finalmente vão sair da gaveta, como a loja da MS, que parece supermercado de pais em crise… nada nas prateleiras.

Mas o estoque está cheio… o que faltam são repositores e também vocês, queridas e sumidas leitoras e escondidos leitores, dizendo o que desejam.

MANUTENÇÃO NÃO PROGRAMADA

O CPD da MS agora é muito mais modesto, se bem que tem mais equipamentos que o antigo, mas todo o trabalho está baseado em um velho AMD, que me acompanha há uns 6 anos e ele está aguentando firme, mas a placa de vídeo, que é um pouco mais velhinha e aguentava 3 monitores, essenciais para o trabalho multitarefa que é editar um site de tecnologia, subiu no telhado.

Tudo bem, vamos comprar uma placa nova, a internet está ai para isso. Também vamos aproveitar e comprar uma placa de rede que aguente mais de 100 de velocidade, porque a Internet aqui tem 200 e não é possível usar, porque a placa interna do AMD só chega a 100.

E já que vai ter que dar uma paradinha… porque não aproveitar e reinstalar o Windows do zero e assim poder aproveitar melhor o novo SSD que tornou o Windows mais fácil de usar? 

Alias aguardem uma matéria bem legal sobre as vantagens do uso de SSD, está no gogó… querendo sair.

Tudo OK, placas novas instaladas. Windows novo instalado e eis que surge um vilão…

Alguém já ouviu falar desse tal de Segurazo? O programa se auto denomina anti-virus, anti-malware, anti-micro, anti-tudo… trata-se de uma verdadeira praga.

Jamais instalem essa bagaça em seu micro.

Pois então, não sei vindo de onde ou como passou, o fato é que bicho se auto-instalou no meio dos programas que tive que reinstalar, após a reinstalação do Windows. Notei logo sua presença e tentei desinstalar… ah, quem disse que o bicho sai?

A porcaria exige desligar o micro pelo menos duas vezes e a cada desligada dá um jeito de voltar e após me sentir como um inútil, arregacei as mangas e fui caçar formas de tirar a praga. Não foi fácil, tive que ler uns trocentos tutoriais e seguir vários para conseguir e finalmente foi embora.

Ele estava travando Facebook, do nada. Fazia programas se desligarem sozinhos e o pior é que eu estava colocando a culpa na placa de vídeo nova, ou talvez na placa de rede.

Tirei ambas, mas o problema continuou, inclusive com direito a tela azul… 

Tasca desmontar todo o micro, limpar tudo (o dissipador do processador parecia um depósito de lixo) e bóra, passar borracha nos contatos e finalmente, micro pronto, parecendo novo… e o mês de janeiro já terminando.

Placa de vídeo, OK, placa de rede., Ok… #SQN, cadê os 200 de velocidade, necas de pitibiribas. Coloquei um note e tava lá, 200. Então é a placa de rede, comprada na LA, mas que veio sem driver, sem manual… sem nada.

Ainda bem que o SAC da LA funciona, me ressarciram já do valor da placa e do frete e agora espero que venham buscar, porque nem na loja vou querer ter o trabalho de levar, se passar de um mês aqui jogo no lixo e já avisei que farei isso. Se querem vender, façam direito. Não é culpa da LA, trata-se de uma loja parceira e eu sabia disso quando comprei. Fiz a reclamação e devolveram tudo, inclusive o dinheiro do frete. Não vou dar o nome da loja, porque estas coisas acontecem e não se pode julgar uma empresa por uma única falha, só espero que aprendam a lição e tenham mais cuidado com o que vendem.

Ok… finalmente tudo ficou pronto e já comecei a dar duro no teclado, mas o que estava planejado fazer nesta segunda semana de janeiro dançou e com isso terei que empurrar com a barriga o mês inteiro de fevereiro e sei lá mais quanto.

Mas “tá limpo”, mesmo porque com novos colaboradores a MS vai poder publicar mais. Sim, aguardem novidades no time.

TERMINANDO O ROSÁRIO DE PENAS…

Quando começou o ano, anunciei a nova década e fui apanhado pelo fabuloso rol de terraplanistas, a nova inquisição, que cismam de implicar com qualquer coisa. Um deles está adorando a atenção que lhe dei no Twitter, mas já avisei que considero que está me tratando como se eu fosse um imbecil e que neste caso passarei a dar o mesmo tratamento… que para imbecis é simplesmente ignorar, bloquear e esquecer, porque há coisas melhores para fazer na vida.

Peço até desculpas pelo termo, mas usei para não usar outro pior, não se trata de leitor da MS, mas daquele tipo de pessoa que entra na Internet apenas para provar a sí próprio que está vivo. E ainda que fosse leitor, sinceramente… podemos passar sem.

Sei perfeitamente que há uma certa discordância a respeito de quando começam e terminam as décadas, porém antes de dizer que vivemos em uma nova década, como bom técnico de segurança que também sou, fui me respaldar. Lendo aqui, lendo ali, descobri que os maiores defensores de que décadas começam em 1 e terminam em 10 são uns espanhóis, mais precisamente os distintos cavaleiros – de triste figura? – da academia espanhola de letras, que decidiram a regra e pronto, não podem ser contestados. Imortais que se julgam, tal e qual seu produto que o mundo mais conhece, D. Quixote de la Mancha.

Acontece que existe uma entidade chamada ISO, que decide detalhes sobre tamanhos, datas, medidas e outras coisas no mundo inteiro. A ISO entende que as décadas devem começar em zero e somando 10, terminam em anos 9, ou seja, em 2009 terminou a primeira década do século XXI e em 2019 terminou a segunda, entramos portanto na terceira, que é a década de 20. Sei que parece confuso, mas estas coisas são confusas.

Faz todo sentido, uma vez que o ano 2000 definiu a entrada no século, portanto de 2000 a 2009 rolou uma década, ou seja 10 anos.

Sem problemas para mim… se alguém não quer começar do zero, alegando que não existiu ano zero, tudo bem, mas desde que não venha me chamar de cavalgadura do Sancho Pança, apenas porque entendo que quando os cristãos começaram a contar os anos, a humanidade já ia lá para seus 600 anos, então disseram os cristãos que ali seria o ano zero, ou seja, depois de Cristo e o que vinha antes era AC. Já os gregos, que não estavam nem aí para os cristãos, começaram a contar lá pelo ano 776 e claro que vieram outros depois, com calendários e virou essa zona que ai está e gera polemicas a cada 10 ou 100 anos e nem estamos contando os anos bissextos.

Há coisas que não deveriam tentar ser explicadas, como relógios atômicos, calendários que começam do 1, meses com 27 dias e se a terra é plana e coberta por por um domo.

Como técnico, aceito o que a ISO decidiu, então tecnicamente falando, estamos nos anos 20 do século XXI e não há o que discutir sobre isso.

Claro que se alguém quiser discutir, peço a gentileza de entrar em contato com um representante da ISO e assim que um laudo atestando que mudaram de ideia for apresentado eu também mudo minha contagem. Tem um ano – de 366 dias – pra fazer isso, depois não vai valer mais a pena discutir, até chegar 2029, quando a lenga-lenga volta a atacar.

Para mim é legal que seja assim, porque a MS on line começou justo no final de 2009, já entrando em 2010, então é a segunda década da MS também, que se inicia. Gosto que os números sejam “redondos” porque não é preciso fazer contas ou buscar no Google pra saber a idade de uma revista que acompanho desde que vi a primeira nas bancas e não foi a número 1, a MS já estava na edição 17 – ou mais – quando me foi apresentada.

Na verdade me apaixonei por ela, quando o RD começou a publicar seus fantásticos jogos, mas a data da primeira publicação só olhando no Google ou na curta história da MS, que conto em um dos primeiros artigos desta nova fase, de início de segunda década.

Para todos os efeitos – e defeitos – o ano começa mesmo em fevereiro, que é quando deve sair a matéria sobre a BGS de 2019, que fui a Sampa pra fazer e acabei deixando na gaveta, apenas porque não quis ser apenas mais um falando da BGS, que era o assunto do momento, deixei pra falar agora, quando todos só pensam em carnaval.

“BIG” e este coordenador no “Quarto de garoto” uma volta ao passado que foi uma das atrações da BGS e conto tudo – também em primeira pessoa – na virada de Janeiro pra Fevereiro. O L na mão é do documentário Loading, que todos estão aguardando ansiosamente.

É isso mesmo… uma das coisas que mais gosto na MS é ela sempre ser diferente, sempre definir seu próprio ritmo, seu próprio padrão, alias lançava padrões e ritmos e enquanto estiver por aqui, pretendo que continue assim.

Obrigado pela paciência, complacente leitora e resignado leitor, tenham a certeza que aqui estamos trabalhando duro para levar a vocês o melhor da tecnologia e da arte.

E uma feliz década a todos “nozes” 🙂

Divino Leitão
Coordenador de Editorias

Tags , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Divino C. R. Leitão

Safra de 57, um cara das artes, professor e coordenador do CPD da MS. Desde sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *