ESTAMOS DE VOLTA

Faz meses, desde que escrevi um editorial informando que precisava de um tempo e que até lá a MS ficaria sem atualizações, a despeito de ter anunciado uma série de novidades, com ou sem pandemia.

O tal do COVID nem tem nada a ver, o problema é com a cabeça mesmo, precisava ficar um tempo sem fazer nada, para colocar as ideias e ideais em ordem.

Sai do “sono de beleza” com uma notícia muito triste, sobre a morte de alguém que eu nem conhecia, o Paulinho. Quem não sabe quem é, basta clicar na imagem e ler o artigo.

Apenas, depois de conhecer a história do Paulinho, fiquei com vergonha de ser tão preguiçoso a ponto de deixar de fazer o que gosto (adoro escrever na MS) só porque tem essa “gripezinha” aí atrapalhando a vida de todos, no mundo todo, ajudada por alguns especuladores e outros tipos de canalhas.

Não tinha parado totalmente, quem acompanha a MS sabe que fiz algumas mudanças estruturais, no tema e outras partes do site e que irão se refletir no perfil da revista, que ficará mais dinâmica, com matérias mais curtas.

Você, que odeia meus “textões” não comemore antes da hora, isso nunca vai mudar, se vários editores tiveram que se adaptar a este estilo, não é onde sou editor que vou fazer diferente. Mas alegre-se, haverá sempre um texto curto e um leia mais, para atender aos que tem preguiça no olho

Então é isso… a velha e boa MS está de volta e o primeiro objetivo e meta para este ano será conseguir mais colaboradores, mais leitores interessados em contribuir para este espaço voltar a ter o mesmo brilho do tempo em que a MS tinha mais matérias dos próprios leitores que do seu time fixo, que hoje não pode mais pagar, então ficou só eu… fazendo de graça… embora sem nenhuma Graça, nem Alda 🙂

PS – Para os que não entenderam a piada, saibam que Alda Campos está muito bem, morando na Alemanha, feliz da vida. Outro dia falei com ela, que precisava de um de seus editoriais, foi um prazer saber que está de boa, num lugar que para mim parece muito difícil até de visitar, mas se adaptou e tá feliz lá longe. Quem sabe um dia nos brinda com um texto 🙂 Já a Graça… nunca mais ouvi falar, espero que esteja igualmente bem. Eram parte da MS, daí a piadinha que aposto que ainda há quem não entendeu, mas não estou aqui para explicar… diria o velho Guerreiro.

Divino Leitão

Safra de 57, um cara das artes, professor e coordenador do CPD da MS. Desde sempre!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: